Site aponta Cássio entre os senadores que mais “torraram” dinheiro público com pesquisa em 2017

Notas fiscais que totalizam R$ 30 mil em viagens de jatinho em apenas um mês. Hospedagens em flats de luxo aos fins de semana. Refeições que ficam bem acima do valor médio pago por um almoço no Brasil – com a conta passando de R$ 1.000. Esses são alguns dos reembolsos solicitados pelos senadores em 2017. Os gastos com a cota parlamentar somam R$ 26.633.775,04.

Com serviços de “contratação de consultorias, assessorias, pesquisas, trabalhos técnicos e outros serviços de apoio ao exercício do mandato parlamentar” em 2017, os senadores gastaram R$ 3,9 milhões. A categoria representa 14,7% do total de valores nos pedidos de reembolso daquele ano. O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) gastou R$ 174 mil somente com estes serviços.

O recordista foi Omar Aziz (PSD-AM). No total, foram R$ 360 mil em 12 notas de reembolsos. Em todos os meses daquele ano, o senador gastou R$ 30 mil mensais com “Jefferson L R Coronel – ME”.

Em nota, a assessoria de imprensa do senador diz que o serviço é prestado “sete dias por semana, o ano todo” e que o valor é o mesmo desde 2015. Segundo o texto, uma equipe formada por dois jornalistas, designer e um editor de vídeos fica à disposição de Omar Aziz, em Manaus, e um profissional acompanha o senador “permanentemente”. “[O serviço] inclui posicionamento estratégico, monitoramento, toda rede digital do senador e assessoria de imprensa”, afirma.

Em seguida, no ranking dos senadores que mais tiveram despesas com essa classificação, aparecem Edison Lobão (MDB-MA), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) e Tasso Jereissati (PSDB-CE).

Fonte: G1

Selecionamos para você