Sindicato protesta contra Santander abrir agências aos sábados na Paraíba

 

O Sindicato dos Bancários da Paraíba protestou no último sábado (11) em frente à agência do Banco Santander, localizada no Centro de João Pessoa. A diretoria da Entidade repudiou a atitude do banco que de forma unilateral quebra o Acordo Coletivo de Trabalho e desrespeita os trabalhadores.

Para o presidente do Sindicato dos Bancários da Paraíba, Marcelo Alves, a abertura das agências nos finais de semana é mais um ataque e demonstra a política de austeridade que vem sendo implementada pelo banco espanhol, que justifica como sendo uma forma de oferecer orientações financeiras aos clientes e à população, por meio do trabalho ‘voluntário’ dos próprios funcionários.

Segundo ele, a medida vai contra um acordo estabelecido nacionalmente. “O banco espanhol é a instituição financeira que mais abusa do bolso do consumidor. Apesar do lucro nas alturas, o banco quer que os bancários trabalhem aos sábados de graça. Isso é uma falta de respeito sem tamanho e não se pode permitir que prossiga, tendo em vista os precedentes de exploração e quebra de acordo que configuram tamanho abuso contra os funcionários”, explicou.

Ele enfatizou que o Sindicato apoia integralmente as ações da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) para barrar os absurdos cometidos pelo banco espanhol, fazendo o devido enfrentamento que o caso requer.

“Estamos diante de uma empresa que é campeã de reclamações no Banco Central do Brasil. Além disso, segundo o Idec (Instituto de Defesa do Consumidor), entre as 20 tarifas nos cinco maiores bancos, o Santander foi o Campeão em quantidade de tarifas mais caras, cobrando mais que os demais por 12 delas. O slogan ‘Simples, pessoal e justo’, que o Santander usa na propaganda, está longe da realidade. O banco explora a população e funcionários, mas quer melhorar a imagem com uma prática pior ainda, ao ‘convidar’ os bancários para trabalhar nos finais de semana. Por isso, vamos resistir e lutar contra essa ganância desenfreada, travestida do artifício de estar oferecendo educação financeira à clientela”, concluiu Marcelo Alves.

CLickPB

Selecionamos para você