Daniella diz que ‘gesto da arma’ de Bolsonaro não combina com Cristianismo

Uma postagem da senadora paraibana Daniella Ribeiro (Progressista) no fim da noite desta quinta-feira (20), nas redes sociais, provocou polêmica. No instagram ela publicou uma foto do presidente Jair Bolsonaro (PSL) fazendo o tradicional ‘gesto da arma’ com as mãos, durante a Marcha para Jesus em São Paulo, e fez críticas ao gesto.

“Sou Cristã, votei em Bolsonaro no segundo turno, por mais que tente, não consigo entender o que o gesto que o Presidente faz combina com o que Cristo nos deixou como ensinamento. #quepena”, escreveu a senadora.

A postagem rapidamente recebeu centenas de curtidas e comentários de apoiadores e opositores do presidente. A publicação foi feita após o Senado ter aprovado, em Plenário, a derrubada do decreto do presidente que flexibiliza a posse e o porte de armas no Brasil. Daniella e os senadores paraibanos Veneziano Vital (PSB) e José Maranhão (MDB) votaram a favor da derrubada.

Daniella, que é cristã e já esteve na mira de assaltantes, demonstrou ter coragem em defender os seus próprios princípios e convicções, algo tão necessário e em desuso no Congresso Nacional. E mais: não disse nada além de uma verdade cristalina, que parece estar encoberta pela obscuridade de ideias que em muito pouco devem reduzir a criminalidade no Brasil.

Apontar uma arma para alguém ou estimular a prática com um gesto feito com as mãos, como faz o presidente Bolsonaro, nem de longe é uma atitude que possui qualquer relação com os ensinamentos cristãos. É preciso apenas que lembremos de alguns princípios básicos deixados por Cristo: a prática da paz, da fraternidade, do perdão e do amor INCONDICIONAL ao próximo.

Respaldo popular

Apesar das críticas nas redes sociais feitas por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, a publicação de Daniella tem, na verdade, apoio popular. Pelo menos é o que indica a última pesquisa Ibope realizada sobre o tema no Brasil.

O levantamento mostrou que 73% dos brasileiros são contra a proposta do presidente quanto à flexibilização do porte de armas. Já 61% dos entrevistados se posicionaram contra o afrouxamento também da posse.

A bandeira defendida por Daniella também se mostra consolidada no Senado Federal. Foram 47 votos favoráveis à derrubada do decreto do presidente contra 28 contrários. Nesse caso, além de questões ‘ideológicas’ os senadores também derrubaram a ‘provável inconstitucionalidade’ do decreto presidencial que autoriza a concessão de porte a 20 categorias profissionais e aumenta de 50 para 5 mil o número de munições disponíveis a cada proprietário de arma de fogo.

Selecionamos para você