Mulher era mantida em cárcere privado por usar calcinha “diferente”, em Santa Rita/PB

A mulher já era agredida pelo companheiro e estava presa em cárcere privado há cerca de uma semana. Foto: Reprodução.

Uma mulher de 28 anos que estava sendo mantida em cárcere privado conseguiu fugir e o suspeito de 36 anos, que é o próprio companheiro da vítima, acabou sendo preso no domingo (18). De acordo com a Polícia Civil (PC), a mulher estava presa há cerca de uma semana em uma residência no bairro de Marcos Moura, em Santa Rita, Região Metropolitana de João Pessoa.

A delegada Paula Monalisa, responsável pelo caso, informou que a mulher só conseguiu fugir após perceber que a chave do local estava pendurada na porta. Ela correu pela rua e pediu ajuda a um motorista de transporte alternativo.

No caminho, eles encontraram uma viatura da Polícia Militar (PM) e a mulher viu o companheiro com a filha passando pela rua e o mostrou à polícia. No momento em que foi preso, o agressor reagiu e foram necessários cerca de cinco policiais para contê-lo.

Em depoimento, a mulher informou que o crime teria sido motivado pelas crises de ciúme do companheiro que ficou irritado porque ela estava usando uma calcinha diferente. “No domingo pela manhã ele saiu de casa e deixou sua companheira trancada, como fazia corriqueiramente. Ao voltar, reclamou porque ela tinha lavado roupa no tanque no quintal, pois não queria ela saísse nem para a parte externa do imóvel”, explicou a delegada.

Ainda segundo as declarações da vítima, ele começou a espancá-la com murros e pontapés, além de puxar os cabelos, chegando a arrancar uma grande quantidade próximo à testa.”Ela chorou durante todo o depoimento. Ela convive com esse cidadão há quase três anos, tem uma filha com ele. Ele sempre a agredia, mas ela não denunciava por medo, é uma pessoa extremamente violenta e já é o terceiro caso de Maria da Penha, ele também agredia as duas primeiras esposas, além de responder pelo crime de roubo”.

A vítima e a filha do casal foram encaminhadas para uma casa abrigo até que a mulher consiga recursos para retornar ao Rio de Janeiro, onde morava com a mãe. A PC disse que o endereço do local onde elas estão é mantido em sigilo para preservar a segurança. “Ela vai morar com a mãe porque ele não permitia que ela falasse nem com a mãe dela”, revelou Paula Monalisa.

O homem está preso na carceragem da Central de Polícia, localizada no bairro do Geisel e deverá passar por audiência de custódia no Fórum de Santa Rita, e ficará à disposição do Poder Judiciário.

OP9

Selecionamos para você