Após divulgação de imagens de vereadores de Santa Rita/PB em Gramado/RS, defesa afirma que não existe crime

Reprodução / TV Globo

Após a divulgação de imagens e vídeos que mostram 11 vereadores e um servidor público de Santa Rita em passeios turísticos na cidade de Gramado, no Rio Grande do Sul, com suposto uso de dinheiro público, a defesa dos parlamentares revelou, em entrevista à Rádio Jovem Pan, na manhã desta segunda-feira (18), que não houve crime. A viagem ocorreu durante a programação do ‘Natal Luz‘.

Os políticos e o servidor foram presos em flagrante na madrugada do dia 5 de novembro, durante o retorno da viagem. Após uma decisão judicial, os políticos foram autorizados a responder o processo de investigação por peculato em liberdade.

A reportagem do Fantástico, da TV Globo, divulgou o compartilhamento de um áudio em um grupo de compartilhamento de mensagens, onde um dos participantes pede discrição durante a viagem: “Amigos do grupo, tenham o maior cuidado do mundo pra quem a gente fala pra onde a gente vai, que horas a gente vai sair. Quando chegar no aeroporto, pra gente não ficar aglomerado. Já vai lá, faz o check-in, já entra na sala“.

A defesa alega que a medida da Polícia Civil não ocorreu dentro da legalidade. “O debate da oportunidade e a conveniência eu admito que exista, na verdade o que estou rebatendo aqui é a questão da ilegalidade. O Ministério Público Estadual e a Polícia dizem que eles estavam comentando crime. Crime eles não estavam. Porque alguém disse a eles que não fizessem aglomeração, eu confesso a você que não sei a razão, talvez uma conveniência pessoal, não sei”, disse ao Jornal da Manhã, o advogado José Edísio.

Para soltura, a juíza estabeleceu medidas cautelares durante a audiência de custódia, entre elas está proibido, durante as investigações, o recebimento de diárias por parte dos parlamentares. A defesa informou que não questionará as imposições feitas pela Justiça e ainda declarou: “Eles tomaram a iniciativa de dizer ‘nós não receberemos mais diárias, não faremos mais viagens para qualquer evento’, uma forma de dizer que vamos examinar e discutir o assunto”, finalizou o advogado.

Operação Natal Luz – O Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público da Paraíba (MPPB) prendeu em flagrante os suspeitos às 3h, após o desembarque no Recife (PE) e o trajeto de volta para João Pessoa, próximo ao distrito de Mata RedondaVereadores e acompanhantes foram encaminhados para a Central de Polícia, no bairro do Ernesto Geisel. A operação ainda teve apoio da Polícia Civil de Sergipe e do Ministério Público do Estado do  Rio Grande do Sul.

Confira a lista dos vereadores investigados:

1 – Anesio Alves de Miranda Filho

2 – Brunno Inocencio da Nóbrega Silva

3 – Carlos Antônio da Silva

4 – Francisco de Medeiros Silva

5 – Diocélio Ribeiro de Sousa

6 – Francisco Morais de Queiroga

7 – João Evangelista da Silva

8 – Ivonete Virgínio de Barros

9 – Marcos Farias de França

10 – Sérgio Roberto do Nascimento

11 – Roseli Diniz da Silva

Apesar das prisões terem acontecido em flagrante, o presidente da Câmara Municipal, Anésio Miranda Filho (PSB), acusou que a ação policial “não preencheu os requisitos constitucionais” e que não foi expedido mandado judicial. Ele ainda confirmou à TV Tambaú, que as diárias custaram em torno de R$ 4 mil a R$ 5 mil, para cada parlamentar.

De acordo com o Portal da Transparência, em 2019, já foram gastos R$ 585.492,24 em diárias na Câmara. Neste último evento foram pagos R$ 69 mil com os custos de hospedagens dos vereadores.

As investigações iniciaram após uma denúncia anônima: “Recebemos a informação e documentação da contratação de uma empresa do estado de Sergipe para a realização de um congresso em Gramado, no Rio Grande do Sul, para os vereadores de Santa Rita”, disse o delegado Allan Murilo Térruel, da Delegacia Especializada de Repressão ao Crime Organizado (Draco), ao Paraíba Já.

PortalT5

 

Selecionamos para você