Não é porque Trump falou grosso que devemos dar as costas a ele, diz Bolsonaro

Em mais um aceno aos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta quarta-feira (4) que não está decepcionado com Donald Trump e que ainda acredita em uma desistência por parte do governo americano na imposição de tarifas sobre as importações de aço e alumínio procedentes de Brasil e Argentina.

Na entrada do Palácio do Alvorada, onde parou para cumprimentar um grupo de eleitores, ele disse que tem havido um “certo exagero” na repercussão da afirmação do norte-americano, uma vez que ele ainda “não bateu o martelo” e os produtos ainda não foram oficialmente taxados.

“Eu acredito no Trump, não tenho uma idolatria por ninguém, tenho uma amizade. Não vou falar amizade, não frequento a casa dele, mas temos um acordo com contato bastante cordial”, disse. “Não tem decepção porque não bateu o martelo ainda. Não é porque um amigo meu falou grosso numa situação qualquer que eu já vou dar as costas para ele”, acrescentou.

Na segunda-feira (2), Trump publicou a intenção de taxar o aço e o alumínio em suas redes sociais. Ele pediu que o Federal Reserve, o banco central dos EUA, impeça que países tomem vantagem de um dólar mais forte, desvalorizando suas moedas.

No mesmo dia, Bolsonaro afirmou que, se fosse necessário, telefonaria para o americano para tentar reverter uma eventual medida. Perguntado nesta quarta-feira (4), no entanto, o brasileiro disse que não revelará se entrou em contato com Trump por se tratar de uma questão de estado.

“Se eu já liguei para ele ou não, você não vai ficar sabendo. Tem certas questões que são de estado, não adianta eu dar uma de pavão misterioso aqui, liguei, não liguei, falei não falei”, disse. “Já temos todas as informações do que aconteceu, acredito que chegaremos a bom termo nesta questão”, acrescentou.

O governo brasileiro não planeja retaliar os Estados Unidos. O argumento do Palácio do Itamaraty na negociação tem sido o de que as tarifas sobre o aço trarão prejuízo para os exportadores de coração metalúrgico da Pensilvânia, Alabama e Virgínia Ocidental. O Brasil é o maior importador de carvão metalúrgico desses estados. Também argumentam que 89% do aço exportado pelo Brasil é semiacabado, e é insumo para a indústria americana.

Para a política externa de Bolsonaro, o aumento da tarifa seria um duro golpe. O país abriu mão do tratamento especial e diferenciado na OMC (Organização Mundial do Comércio) a pedido dos Estados Unidos, que querem modificar o mecanismo para não dar uma vantagem injusta à China em negociações comerciais.

Selecionamos para você